domingo, 15 de abril de 2012

APERREADO

Vivo aqui aperreado,
Sem saber o que fazer.
Nesse mundo é arriscado
Conquistar um benquerer...
Pois a ‘muié’ que eu desejo
Só de longe me dá beijo
E ao ‘oiá’ nem pestanejo...
Corro o risco de morrer!

‘Oia’ bem o jeito dela!
‘Oia’ como ela se veste!
Aquela rosa amarela,
Igual tu nunca tiveste...
Tem um perfume gostoso...
Chega a me deixar nervoso,
Nervoso que nem a peste!

Naquela saia rodada,
Quando passa, dou suspiro...
Eita morena arretada,
Morena que eu admiro!
Mora na casa do fundo
Da casa de Zé Raimundo...
Ela é a mais linda do mundo
... Mas pertence ao Birobiro!