sábado, 7 de abril de 2012

RESENDE VISTA POR QUEM VEM DE FORA



Morando em Resende há pouco mais de um ano, lembro-me que uma das coisas que me fizeram escolher esta cidade para morar, foi o verde exuberante que se via no que chamamos de retão de Resende. Imaginava eu, e assim o era, uma cidade muito arborizada, de clima agradável e calma. O retão, hoje, é “carecão”. Alguns dizem que o corte foi para evitar acidentes, outros, que foi para atender a interesses da empresa que administra a rodovia. Não sei quem tem razão. “Agora, Inês já é morta”. A cidade em si, tem sofrido agressões nesse sentido, mas, segundo informa a Prefeitura, as árvores que estão sendo cortadas são as que estão doentes e sem recuperação. Torcemos para que haja um pronto replantio, para o bem de todos.

Resende vem melhorando em alguns aspectos, desde que aqui cheguei. Entre eles, destaco o trânsito de veículos e a sinalização do tráfego.

Por outro lado, o sistema de saúde é muito precário! Neste caso, não se justifica o velho ditado que diz: “Males de muitos, consolo é”, considerando o sistema de saúde em todo o país. Infelizmente, é um mal de abrangência nacional. Mas, (aqui vai uma sugestão) se nosso prefeito, que também é médico, envidar esforços para tornar Resende um modelo nacional do bom atendimento à saúde pública, certamente conseguirá e marcará um grande feito na história não apenas da cidade, mas do país. Aqui há muitas indústrias de peso, que muito poderão colaborar para esse feito. Se não tentar, jamais conseguirá.
Outro aspecto, que começa a assustar, é o caso das drogas.

A única droga saudável é o remédio, mesmo assim, tem seus efeitos colaterais! A outra, que cresce em paralelo com o aumento da população, denigre a alma, fere o corpo, tira vidas... É um outro mal que cresce no mundo, infelizmente.

Hoje, ainda vejo a cidade com olhos de quem vem de fora. As comparações são inevitáveis. A entrada, próxima ao novo shopping, embora decorada com aquele paliteiro torto e desordenado e de péssimo gosto, nos sugere alguma modernização. Ainda há muito a fazer, como melhorar o transporte público, exigindo veículos novos e seguros (a maioria usa pneus carecas), eliminar os buracos e calçamento precário em muitas ruas, estender a ciclovia por toda a avenida que margeia o rio, cujo nome deveria ser avenida Beira-Rio, inclusive, retirando os dois quiosques que permanecem abandonados quase em frente à Prefeitura, criar um Mercado Municipal, asfaltar as estradas vicinais, além de continuar melhorando o sistema educacional e de formação profissional de jovens e adultos.

Torcemos para que, no próximo aniversário da cidade, possamos cantar parabéns com o prazer de ver o progresso, o saneamento e a saúde em franca ascensão!
Parabéns à Princesinha do Vale!